28 de agosto de 2011

Complex

28 de agosto de 2011 1
Já faz algumas semanas que Porto Alegre ganhou um lugar incrível, que é um misto de skatepark + boardshop + restaurante mexicano. Mas só agora eu e a Isa fomos com alguns amigos conhecer o tão falado Complex, lugar que poderia estar em muitos lugares do mundo, mas por sorte está aqui!

Foto: Complex

As pistas, que ocupam um espaço de 800m², estão bombando desde que foram inauguradas.

No complexo funciona também a boardshop Tow, que além de equipamentos de skate, oferece uma vista animal tanto das pistas quanto da cidade.

O espaço fica aberto das 10 da manhã até a meia noite e está sempre cheio. Se durante o dia a principal atração são as pistas de skate, durante a noite a atenção se volta para o bar.

Foto: Complex

Nada poderia combinar mais com esse clima descontraído do que comida mexicana. Mandaram muito bem em escolher o consagrado Pueblo para fazer parte do Complex.

O Pubelo Equis oferece as opções mais rápidas do cardápio do restaurante da Av. Ijuí. Os tradicionais nachos, tacos e burritos com a qualidade inconfundível dessa casa mexicana marcam presença no Complex.

Como não havia nenhuma mesa livre no espaço do restaurante, acabamos nos sentando no balcão para esperar até que uma fosse liberada.

Durante a espera, perdi as contas de quantas dessas garrafas de Heinekein eu, o Fael e o Dani entornamos...

Já a Isa, a Laura e a Bianca, mandaram ver nos drinks. Depois de uma meia dúzia de mojitos, já tavam rindo à toa.

Lá pelas tantas, a Isa inventou de pedir um drink esquisito e, claro, não gostou. Mas nem por isso deixou de tomar o tal do Manhattan.

Depois de muuuito tempo de espera, a fome apertou e decidimos petiscar algo ali no balcão mesmo. Pedimos os deliciosos nachos texanos, com chilli (feijão com carne), cheddar, mussarela e creme de nata gratinados no forno.
Como estávamos em vários amigos e acabamos dividindo tudo, perdemos a noção de quanto gastamos. Mas foi algo em torno de 50 reais por casal.

Dá só uma olhada nesse vídeo para sacar um pouco a vibe do lugar...

O Complex fica na Av. Protásio Alves, 3839, em Porto Alegre.


20 de agosto de 2011

Madame Antonieta

20 de agosto de 2011 12
Sábado de sol e frio em Porto Alegre, o Henrique e eu resolvemos dar uma volta pela Zona Sul. Aquelas bandas da cidade sempre reservam alguma surpresinha, e a da vez foi a Madame Antonieta, uma charmosa confeitaria com ares franceses.

A primeira coisa que pensei quando entrei lá foi "preciso voltar aqui com as minhas amigas". Vamos, gurias? Vocês vão amar.

A decoração é um amorzinho, toda em rosa e lilás, e com referências à rainha francesa que dá nome ao lugar.



















Quem está por trás dessa confeitaria é o simpático casal Vanessa e Cássio. Ela cuida da administração e faz o atendimento, enquanto ele fica na cozinha preparando e inventando novas delícias.

Eles nos contaram que a cada sábado tem alguma novidade exposta no balcão.

Esses chocolatinhos belgas vendidos por peso são uma tentação.

Graças à Madame Antonieta eu pude parar de cantar "macaron, nunca vi, nem comi; eu só ouço falar". Matei a minha curiosidade em provar esse docinho francês. É uma delicinha cremosa! Por fora eles são crocantes e por dentro, molhadinhos. Provamos um de limão, um de maracujá, um de framboesa e outro de chocolate branco.

Agora esse doce aqui, chamado Blondie, não tem explicação. Pedi achando que seria de um jeito e era de outro infinitamente melhor do que eu esperava. Macio que só, parecia que eu tava comendo uma nuvem de castanha com doce de leite.

O Finger pediu um café com leite que veio decorado. E cremoso!

Eu, que sou uma filha muito queris, levei uns macarons pra minha mãe provar. Esses eram de chocolate ao leite e limão. Nham!

Esse café da tarde adocicado custou 25 reais. E sábado que vem estaremos lá de novo. E no outro também. E no outro, e no outro...

A Madame Antonieta Doces fica na rua Padre Réus, nº 911, esquina com a av. Wenceslau Escobar, na Tristeza, Zona Sul de Porto Alegre.

18 de agosto de 2011

Amor e Flor

18 de agosto de 2011 8
Desde que vimos esse lugarzinho no blog Feels Like Chocolate, (quem tá de viagem marcada pra Buenos Aires TEM que olhar), tentamos diversas vezes ir. Mas sempre que surgia a oportunidade, São Pedro teimava em não colaborar e mandava um toró para melar a nossa ida. Eis que, num momento de trégua, fomos conhecer a Amor e Flor, em Porto Alegre.

O lugar fica no bairro Petrópolis e funciona como uma floricultura e cafeteria. Ao meio dia, eles também servem almoço. Dá pra escolher entre as opções de risoto do dia.

A ampla casa tem uma decoração bem rústica, com plantas e flores enfeitando os ambientes.

Ainda tem a área externa, que é super agradável e tem bastante verde. Dá para ficar ali e esquecer da vida, à sombra daquela centenária figueira.

Para o nosso almocinho, eu escolhi o risoto de carne de panela com moranga. Simplezinho e gostosinho.

Já o Henrique foi no risoto de alho poró e cogumelo. Eu dei uma beliscada no dele e achei mais apetitoso do que o meu. Todos os risotos vem acompanhado de uma saladinha verde.

E , de sobremesa, dividimos uma deliciosa tortinha de maçã.

Os arranjos de flores são super lindos. Dá pra almoçar lá e ainda presentear a namorada. Fica a dica, Henrique Finger moscão!
Esse almocinho super agradável e com aroma de flor, custou cerca de 30 reais.

A Amor e Flor fica na rua Taquara, 563, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre.

14 de agosto de 2011

Press

14 de agosto de 2011 2
Depois desse post só tenho uma coisa a dizer: se um dia fui pobre, não lembro. Mentira, lembro todo dia enquanto conto minha coleção de moedas de 1 real! Mas falando sério, todos deveriam, de vez em quando, dar-se ao luxo de uma extravagância gastronômica, como é o menu degustação harmonizado oferecido pelo Press, restaurante com influências nas cozinhas francesa, italiana e oriental.

A decoração do Press é linda, linda. Moderna e elegante, com direito a poltronas mega confortáveis de couro e cortinas que separam os ambientes. A iluminação baixa e as velas sobre as mesas dão um ar romântico ao restaurante.

O menu degustação que provamos é composto por uma entrada, três pratos principais (que são versões reduzidas dos tradicionais pratos do menu) e uma sobremesa. Além disso, cada prato é harmonizado com um tipo de vinho. Coisa fina, bem!

As boas-vindas da noite foram dadas com uma taça da espumante italiana Bedin Davi Rosé. Conforme nos explicou a simpática sommelier que nos serviu toda a noite, não é tão forte como uma brut e nem tão doce quanto a moscatel.

E daí começou o festival de sabores! Como entrada, serviram um mil folhas de salmão. Junto de uma saladinha, veio uma lasca de salmão defumado com sour cream sobre uma massa folhada. Super leve.

O prato seguinte foi o Pad Thai. Exótico define bem. Dentro de uma casca de abacaxi, veio uma massa de arroz com broto de feijão e farofa de amendoim acompanhados de camarões fritos. E um limãozinho pra dar um toque. Beeeem picante e beeeem interessante. Foi o preferido do Henrique, que adora camarão (e ainda ganhou os meus de brinde, já que eu não como).

Esse prato foi harmonizado com uma taça do chileno De Martino, um Chardonnay.

Depois foi a vez do Yakissoba dar as caras na nossa mesa. Com filé, brócolis, cenoura, shitaki e pimentão, estava super delicioso. Só não lambi os beiços porque o restaurante era chique demais (e eu tinha acabado de ter sido repreendida pelo Henrique por estar coçando as costas com o hashi heheh).

Com o Yakissoba, nos serviram uma taça do Pinot Noir Família Schroeder Saurus, da Argentina.

O último prato servido foi o Cripsy Duck, confit de pato sobre musseline de cenoura. Eu nunca tinha provado pato e achei delicioso! O salgadinho da carne ficou interessante com o sabor levemente adocicado do purezinho de cenouras.

Para acompanhar o pato, foi sugerida a harmonização com o vinho Boscarelli de Ferrari, da região da Toscana, na Itália.

A sobremesa não poderia ter sido mais incrível: ravióli de goiabada com sorvete de queijo cottage. Sempre torci o nariz para sabores salgados de sorvete, mas tenho que admitir que este de queijo estava maravilhoso. Além disso, casou bem com o doce da goiaba.

Acompanhando a sobremesa, nos foi servido uma tacinha do Vinho do Porto Warre's Tawny. Esse eu amei!

O que dizer depois desse jantar digno de rei e rainha? O valor desse menu degustação é R$ 150 por pessoa. É um preço alto, mas uma experiência de alto nível como essa vale a pena cada centavo. Para provar esse menu degustação, é preciso fazer reserva com antecedência, pois os pratos precisam ser adaptados.

O Press fica na rua Hilário Ribeiro, nº 281, esquina com a Pe. Chagas, no Moinhos de Vento, em Porto Alegre.

11 de agosto de 2011

Cachorro do Bigode

11 de agosto de 2011 3
Sexta-feira já está se firmando como o nosso dia oficial de enfiar o pé na jaca. Na última, eu e o Henrique enfiamos em grande estilo no famoso Cachorro do Bigode.

O lugar é simples mas bem organizado. Os pedidos são feitos diretamente no caixa e levam poucos minutos para ficarem prontos. Na parede, todas as opções de hot-dogs estão bem explicadas.

Eu provei o Super Bigode, que além de molho e salsicha, vem com ovo, cebola, tomate, milho, ervilha e batata-palha. Olha, se eu pudesse te dar um conselho nessa vida (além de usar filtro solar), seria para pedir sem ovo. Porque, sério, 70% do recheio desse cachorro-quente é composto por ovo.

A foto acima foi antes do banho de maionese que ele tomou. Tchibum!

O Henrique foi no Cão Linguiça, que vem com linguiça (dã) em vez de salsicha. Os ingredientes são os mesmos do cachorro que eu comi, com a diferença que ele foi sábio e pediu sem o maldito ovo (peguei implicância com o huevo, sorry).

Não satisfeito, o menino Finger ainda precisou fazer o arremate com um Filhote, a versão reduzida do Super Cão. E dessa vez ele também resolveu se render aos encantos da gordura trans e pediu com maionese.

Pra empurrar toda essa massaroca pra dentro, só mesmo com muita Coca.

Ai, vou falar, vou falar, falei: o Cachorro do Bigode é bem bom, mas, sinceramente, ele vale a pena se a proposta é se empanturrar até sair maionese pelas orelhas (quanta elegância a minha, hein!). Mas se a ideia é sentir o gosto do molho e da salsicha, faça um hot-dog em casa, porque esses dois ingredientes básicos ali são meros detalhes debaixo daquela montoeira infundada de ovo.

Um pouco mais de 20 reais pagaram a nossa conta.

O Cachorro do Bigode fica na Av. do Forte, 1593, na Zona Norte de Porto Alegre.

 
◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates. Blog Templates created by Web Hosting