6 de julho de 2012

Seasons

6 de julho de 2012 7
Tá sabendo que tá rolando mais uma edição do Restaurant Week em Porto Alegre, né? O legal desse evento é poder conhecer restaurantes bacaninhas por um preço bem justo. Um desses lugares participantes é o Seasons, aberto há não muito tempo no Moinhos de Vento.


Esse restaurante oferece uma culinária chamada de global. Qual a diferença para cozinha internacional? Não faço a menor ideia. Se alguém descobrir, me conta.


Durante o evento, cada restaurante oferece um menu fixo com um preço definido, que neste ano é R$ 31,90. No Seasons, são oferecidos dois menus diferente para o almoço e dois para o jantar. Eu e algumas gurias do trabalho (beijo Camila, Luli, Fran, Bruna e Leti) resolvemos aproveitar essa oportunidade para almoçar lá e adoramos!

Como entrada, uma das opções era o trio arabesque, com hommos, zaalouk e kofta. No bom e velho português: purê de grão de bico, caviar de berinjela grelhada e carne de cordeiro com salsa marroquina. Me surpreendeu positivamente. Tudo estava bem delicioso.

Como prato principal, era possível escolher entre duas opções. Um lado da mesa foi no filé ao molho de vinho com cebolas, acompanhado de purê de batatas. Adorei ter escolhido esse!


O outro lado da mesa aproveitou para experimentar o risoto de camarão com cubos de moranga marinados em aceto balsâmico e tomilho. As gurias adoraram!


Na hora da sobremesa, a mesa dividiu-se novamente: umas foram de crème brulée


E outras no petit gâteau de chocolate com banana servido com calda de chocolate belga e chantilly de fava de baunilha.


Esses menus participantes do Restaurant Week tem o valor fixo de R$ 31,90 para o almoço. O legal é que o Restaurant WEEK não dura apenas uma semana. Esse ano, ele vai até o dia 15 de julho. Ou seja, ainda tem mais uma semaninha pra aproveitar e conhecer alguns desses lugares legais.

O Seasons fica na Rua Dinarte Ribeiro, 36, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre.



25 de junho de 2012

Tudo Pelo Social

25 de junho de 2012 7
Sábado a noite a turminha se reuniu na Serenata Iluminada que rolou na Redenção. Lá pelas tantas, depois de emborcar algumas garrafas de vinho no bico mesmo, bateu aquela fome e o Fernando, nosso amigo gringo lá de Bento, não pensou duas vezes em sugerir que fossemos no Tudo Pelo Social, o tradicionalíssimo restaurante da Cidade Baixa. 


O lugar é conhecido pelas suas proporções gigantescas; seja no espaço do salão (que comporta mais de 300 pessoas), seja no tamanho dos pratos servidos lá. De pequeno, só o valor cobrado pelos pratos, mesmo. Como já sugere o nome, o intuito do restaurante é servir comida boa, em boa quantidade e por um valor bem acessível. Tudo Pelo Social, como diria Sarney.


Há alguns anos o restaurante vem sido eleito pela Veja Comer & Beber como o melhor na categoria "Bom e Barato". Ao meio-dia, o Tudo Pelo Social oferece um buffet livre caprichado por apenas 7 reais, que atrai muitas famílias, trabalhadores e estudantes. Bota democrático nisso, né? 



Se ao meio-dia é o buffet com precinho mais do que camarada que faz formar fila, à noite a grande atração fica por conta dos pratos à la carte. Mas ó, cuidado ao caminhar pelo salão... o piso é "molhado" (eufemismo para engraxado). 


Bah, na hora de fazer o pedido, foi aquela loucura. Um lado da mesa se decidiu por um à la minuta. Olha o tamanho da criança! É uma refeição para  três pessoas.


As meninas, desavisadas, ainda pediram um bife extra. Aquele famoso medo que falte comida, sabem? Claro que nem chegaram a tocar nele, as três super se satisfizeram com o à la minuta. Os guris da mesa é que adoraram, comeram o bife todinho.


A outra metade da mesa foi no filé à parmegiana, que é um troço de tão grande. No menu, diz que serve duas pessoas, mas MEU DEUS, SÓ SE FOREM DOIS LUTADORES DE UFC. Esse monstrinho aí serve tranquilamente umas quatro pessoas de apetite normal. 


Acompanhando o parmegiana-monstro, vem essa saladinha (ou melhor, SALADONA) bem colorida.


E mais uma porção generosa de arroz (tipo uma panela aqui de casa!) e batata frita. É comida prum batalhão, gente.


Pensa que foi muita comida? Pensa que a galerinha ali não deu conta do recado? 



Nananinanão. Limparam os pratos, taí a prova. Mérito do Fernando, o gringo de quase 2 metros.



A conta total dessa comilança aí foi cerca de 100 reais que, dividido entre 8 pessoas, deu a bagatela de TREZE PILAS para cada um.

O Tudo pelo Social fica na Rua João Alfredo, nº 448, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre.

20 de abril de 2012

Veja Comer & Beber 2012

20 de abril de 2012 4

Ontem aconteceu a noite de premiação do Veja Comer & Beber Porto Alegre 2012/2013, que escolhe os melhores estabelecimentos da cidade. O Temo Fome já esteve em alguns destes lugares ganhadores. Vamos relembrar os posts?

A melhor cozinha italiana


A melhor padaria


A melhor temakeria


O melhor suco


A melhor pizza


A melhor cozinha variada


Melhor happy hour


O melhor salgado


O melhor sorvete


Restaurante revelação


Vendo essa lista, notamos não só o quanto já comemos... mas, principalmente, o quanto ainda falta para comer ;)

14 de abril de 2012

Josephina Café

14 de abril de 2012 2
Quando pensamos em sair para comer algo em Gramado, as primeiras ideias que vêm à cabeça são fondue e galeto. Nada contra, gostamos muuuito. Mas Gramado tem opções que vão muito além disso. Um desses lugares é o Josephina, um simpático café que fica na lateral da Igreja Matriz.


O lugar é um charme só. Todos os ambientes são tão bonitos e bem decorados que fica até difícil escolher onde sentar. O negócio, então, é voltar lá muitas vezes, para aproveitar todos os cantinhos da casa.



Um dos ambientes mais especiais é o que tem um sofá e lareira. Imagina que delícia sentar ali no inverno?



Nos fundos da casa tem uma área ao ar livre; ideal para fazer um lanche bem tranquilinho.


Os detalhes fofos estão presentes em todos os cantinhos do Josephina.


Mas vamos ao que interessa, o menu. Além de pratos mais elaborados como massas e risotos, o Josephina tem ótimas opções para lanches. E foi exatamente isso que fomos fazer com os amigos em uma tarde de sábado lá: lanchar. Para começar, uns suquinhos naturais e um delicioso chá gelado de pêssego.


Um dos pedidos foi o sanduíche Balzac, com pernil de porco, rúcula, tomates, queijo derretido e mostarda dijon. Todos os sanduíches vêm acompanhados de uma saladinha verde.


Outro sanduba escolhido foi o Dante, com filé acebolado, queijo derretido, tomate seco e rúcula. Esse era o maiorzão de todos!


O Henrique foi no Cervantes, com peito de peru defumado, queijo mussarela e cogumelos paris.


E eu, que adoro todas as formas de ovo, pedi uma deliciosa omelete de cogumelos com queijo.


O omelete veio acompanhando desse delicioso pãozinho caseiro. Vale dizer que todos os pães dos sanduíches são feitos lá mesmo, e chegam à mesa ainda quentinhos.


Para adoçar, um brownie de chocolate de fazer lamber os beiços.


Essa fatia generosa de torta de limão também fez bonito!


E a mousse de maracujá com calda de frutas vermelhas, então? Um arraso!


Ainda é possível levar para casa alguns produtinhos feitos lá, como essas geleias caseiras, nos sabores morango, maracujá e amora, e também pães, biscoitos e azeites aromáticos.


Cada um gastou, com esse lanche completo, uma média de 35 reais, um preço oquêi para a qualidade de tudo que foi servido. Para voltar mais vezes!

O Josephina Café fica na rua Pedro Benetti, nº 22, no centro de Gramado (RS).

13 de março de 2012

Restaurante Camilotti

13 de março de 2012 5
Alguns dos meus lugares preferidos (são dois, hehe) em Flores da Cunha ficam em postos de gasolina. Um deles é o Restaurante Camilotti, que fica junto ao posto Trebobras, na entrada de São Gotardo (beijo Thai, Dudu e  Leila). Eu não saberia dizer apenas um motivo que faz desse lugar um dos meus prediletos de lá, por isso resolvi logo fazer uma listinha com 7 motivos que fazem desse restaurante uma parada obrigatória quando estou pela Serra Gaúcha.  


1. Porque o ambiente é simplão, sem frescura alguma. Muito pelo contrário, lá o pessoal come olhando a novela das oito na tevê de plasma. (E ter samambaias como decoração bem que podia contar como um dos motivos, né?)

2. Porque tem coca de garrafa de vidro, inclusive de 1 litro.

(Tá, essa saladinha mixuruca aí não é motivo nenhum para ir lá. Porque, vamos combinar, por que o sujeito deveria ocupar espaço no bucho [sou fina] com cebola roxa e pepino se tem milhares de friturinhas irrecusáveis por vir?)

3. Porque foi lá que aprendi a diferenciar o bauru de Porto Alegre (tipo xis) do bauru da Serra. Lá, bauru significa esse bifão aí com queijo, presunto e molho de tomate por cima.


4. Porque tem queijinho frito! Até hoje não me entra na cabeça por que os restaurantes daqui não servem isso. 

5. Porque servem polenta frita e o pãozinho colonial, indispensável em qualquer refeição de lá. Não importa se você vai comer sopa, massa ou churrasco; o pão sempre vai estar na mesa para dar aquela potchadinha no molho. Ah, no Posto Camilotti tá liberada a "potchação", outro belo motivo.

6. Porque como se a polenta e o queijo não fossem frituras suficientes, ainda tem batata frita.

7. Porque tu paga pouco e sai de lá embuchado ;) No Camilotti é possível pedir meio bauru (R$ 17), bauru para uma pessoa (R$ 21) ou para duas (R$36).

O Restaurante Camilotti fica na rua Alexandria, 200, na entrada de São Gotardo, em Flores da Cunha (RS).

 
◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates. Blog Templates created by Web Hosting